Existem?

LP EP CD ETC

Fiz a capa pro LP novo- eu nem sei se eu posso usar o termo LP pra qualquer álbum ou se é só pra vinil, mas foda-se – do meu compadre Calvin Voichicoski, “Existem Poucas Maneiras de se Andar por Ai”. É um álbum independente excelente, e tá disponível digrátis aqui ó:

http://calvinvoichicoski.bandcamp.com/

É um álbum realmente duca, e essa capa foi bem duca de fazer. Essa foto eu tirei de dentro do carro com um iPod 4G, cuja câmera é bem ruim. Isso, na verdade, ajudou pacas, porque esse efeito chiado meio que deu o tom da foto, então ficou classe graças a isso hahaha

Depois eu joguei uns efeitos, etc. 

A ilustração eu fiz com guache, sem contorno, e depois finalizei por cima com pena e nanquim. Daí foi só inserir no fundo da imagem, dar um trato com uma cor creme por cima no multiply pra imagem não ficar muito destacada do resto da capa, meio que se misturar ali no fundo e tal, e foi isso.

Ouçam esse álbum ai, que tá demais!

 

 

 

Moldy Pedros in da house

Umas paradas que fiz nesses ultimos quarenta anos que se passaram desde que a ultima postagem do blog ocorreu

take it, CJ

moldy peaches in da house

Dragãozito

GIGANTOCHE – Hq que vou começar a fazer agora, parceria com o grande Douglas MCT

Strangers in the night…

As vezes bate uma vontade de experimentar umas coisas diferentes.

Nesse caso, fiz a base da ilustra em aquarela, e as sombras, o fundo azul e a iluminação da pirâmide que o urso voador está segurando ( ok, essa foi uma frase estranha ) fiz no photoshop.

Até que gostei do resultado final, mas acho que prefiro a aquarela pura mesmo.

: )

 

Pedro

Kalinka

 

Essa ilustração fiz a pedido da Flor Dias, uma amiga.

A modelo pra ilustra foi a Kalinka, uma boneca feita pela Flor. Dá uma olhada —

Kdd Valenciana

 

Tenho estudado ornamentação, depois que li o Habibi do Craig Thompson fiquei fascinado por esse tipo de arte. O círculo ai em cima, agora percebo, está absurdamente torto.

Com o tempo melhora.

: )

 

 

P.C.

Materiais de desenho

Preguiça de virar esse desenho no editor de imagens… Brincadeira, é que recentemente eu li Jimmy Corrigan, fiquei inspirado.

 Ultimamente várias pessoas – ok, só algumas. – tem me perguntado os materiais que uso para desenhar, finalizar, colorir.

Então, para facilitar pra todo mundo, resolvi fazer esse post aqui.

Caso tenha alguma dúvida ainda, sem problemas, pó mandar! Na verdade acho o maior barato conversar com o público, mesmo que seja um público pequeno como o meu é : )

Enfim, vambora.

Para o esboço:

Bom, para fazer o lápis do desenho, eu uso…lápis, hahaha. Costumo usar faber castell grafite 2b, mas as vezes só pego o primeiro lápis que vejo na mesa.

Como muitas vezes eu finalizo usando a mesa de luz – já falo mais dela -, eu dou preferência a um lápis que fique nítido nela. As vezes uso alguns lápis coloridos também. O lápis azul, por exemplo, é usado por vários artistas – um bom exemplo é o grande Mike Mignola – para fazer a construção do desenho, e depois o grafite é passado. O lápis azul não aparece dependendo do jeito que você escanear, então ele não atrapalha em nada.

Já usei lapiseira também, mas como tenho um dom especial para quebrar grafites, não faz muito a minha praia. Se for usar, recomendo as 0.9, pois as 0.5 quebram mais fácil que palha.

Para arte-finalizar:

Bom, vamos lá.  Praticamente 90% das vezes eu finalizo com pincel, bem raramente uso pena. Por isso não me aprofundarei na pena.

Já usei três pincéis para arte finalizar.

Um da Tigre, pelo de marta, Nº 3, daqueles com o corpo do pincel marrom. É barato, tá ótimo pra começar, tem uma variação razoavel, absorção idem e… é barato.

O contra é que ele realmente não dura muito. Mas como é baratinho e bem razoável, pra começar ele é ideal.

Já usei também um Talens, Pure Red Sable 110, Nº 4. Esse é excelente, mas não fez muito meu estilo, simplesmente. Não sei ao certo o preço, pois afanei do meu pai, hahaha

E o que eu mais gostei e uso até hoje é o Winsor & Newton Series 7 Nº2, que é um pincel do caralho ( sem dupla interpretação! ). Tiro certo. A variação é fodaça, dura mais de um ano, e a absorção é foda. Custa em torno de 50 contos, mas cada centavo vale a pena. Tu tá investindo no teu trampo. Alguns cartunistas que usam W&N: R. Grampá, Fábio Moon, Craig Thompson, e por aí vai.

Não vou falar demais, que a Wilson & Nelson não me paga pra fazer propaganda.

Pra colorização:

Puta, aí varia muito. Eu não sou nenhum artista super-profissional, então ainda estou experimentando tudo. Ultimamente o que mais tenho usado é o photoshop mesmo. Uso uns pincéis com manchas de tinta misturados com degradês, dá um efeito bem legal.

Também tenho treinado bastante com guache, é um material bem classe, tô tentando voltar a usar tinta, que é minha paixão.

Guache eu uso os tubos da Talens, que é uma marca excelente, talvez a melhor. E os preços são bem acessíveis.

Ah, também curto usar aquarela, mas não tenho usado muito. Quando uso, pinto com meu estojinho da W&N Cotman, é bem do caralho esse.

Mas bem, é isso aí. Lembrando que não tem material que é certeza que você vai amar, tu tem que ir experimentando até achar um que você sinta que acrescenta algo ao teu trampo, e que você gosta de usar.

Ah, o desenho ali em cima é o sketch matinal de outro dia que esqueci de postar.

Abraçón,

Pedro C.

p.s: sem chance de traduzir esse post grande pro inglês. Sorry gringos.